TESTEMUNHO


Amados Irmãos em Cristo,

Nós, os membros da direcção nacional da comunhão de Igrejas de irmãos em Portugal (CIIP), escrevemo-vos, mais uma vez, em nome do nosso Senhor Jesus Cristo, para compartilhar convosco algumas reflexões sobre as nossas responsabilidades como “Testemunhas do Senhor”.

“Ser-Me-eis testemunhas… até aos confins da terra” ( Act.1:8 ) foram as últimas palavras do Senhor Jesus Cristo aos Seus discípulos. É evidente que estas palavras são também para nós hoje em dia. Além de cada crente ter, individualmente, a responsabilidade de ser uma testemunha, cada comunidade de discípulos, isto é cada igreja local onde servimos ao nosso Deus, também é uma testemunha do Senhor Jesus Cristo.

Testificamos do nosso Senhor através de: a) Nossas Palavras, b) Nosso Exemplo e c) Nossas Acções.

a) O Nosso Testemunho na Mensagem que Anunciamos:
Temos de testemunhar ao mundo que o Senhor Jesus Cristo morreu por nossos pecados e ressuscitou ao terceiro dia em cumprimento do plano determinado por Deus e revelado nas Escrituras (Act. 2:22, 23; I Cor. 15:3,4). Temos a responsabilidade de testificar que Deus elevou Jesus a Príncipe e Salvador para dar o arrependimento e remissão dos pecados e a justificação a todo aquele que nEle crer (Act. 5:31; 13: 39).
Como aos primeiros discípulos, Deus também nos manda pregar ao povo e testificar que O Senhor Jesus Cristo é constituindo por Deus Juiz dos vivos e dos mortos (Act. 10: 42).
Além de sermos testemunhas na mensagem que proclamamos, temos a responsabilidade de testemunhar do nosso Senhor através da nossa vida.

b) O Nosso Testemunho no Exemplo da Vida que Vivemos:
A comunhão entre os discípulos na igreja primitiva era muita forte: “perseveravam na comunhão”; “perseveravam unânimes todos os dias”; “comiam juntos com alegria e singeleza de coração”; “era um o coração e a alma da multidão dos que criam”. Não é de admirar, pois, que: “todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar”. ( Act. 2: 42, 46, 47; 4: 32 ) Não foi Ele que pediu ao Pai: “Para que todos sejam um, como Tu ,ó Pai, o és em Mim, e Eu em Ti; que também eles sejam um em Nós, para que o mundo creia que Tu Me enviaste” ? (João 17: 21).
A comunhão era tão íntima que se podiam estimular uns aos outros e, até, admoestarem-se uns aos outros ! E toda a igreja ter o cuidado de que ninguém da comunhão se privasse da graça de Deus ! (Heb. 10: 24, 25; 12: 15). Além de sermos testemunhas do Senhor na palavra e no exemplo, as Escrituras indicam que também devíamos ser testemunhas nas obras.

c) O Nosso Testemunho nas Obras que Fazemos:
O Senhor Jesus Cristo deu-Se a Si mesmo por nós; para nos remir de toda a iniquidade, e purificar para Si um povo Seu especial, zeloso de boas obras (Tit.2:14).
O Senhor Jesus Cristo chama-nos à atenção que somos a luz do mundo e que a nossa luz deve resplandecer diante dos homens, para que vejam as nossas boas obras e glorifiquem a nosso Pai, que está nos céus (Mat. 5: 14 a 16). Pedro também nos avisa que devíamos, cada crente e cada igreja local, ter o nosso viver honesto entre os descrentes; para que, naquilo em que falam mal de nós, como se fôssemos malfeitores, glorifiquem a Deus no dia da visitação, pelas boas obras que em nós observem (I Ped. 2: 12).
Amados irmãos em Cristo temos de confessar perante o nosso Deus que, tanto as igrejas locais como a comunhão de igrejas, estamos todos muito longe de sermos testemunhas fiéis do nosso Senhor. Bom seria se se pudesse dizer de cada igreja, como Paulo escreveu acerca da igreja em Roma: “Em todo o mundo é anunciada a vossa fé” (Rom. 1: 8).
Que Deus tenha misericórdia de nós e nos abençoe e ajude a sermos testemunhas fieis.
Mais uma vez a Direcção da Comunhão de Igrejas de Irmãos em Portugal quer lembrar-vos que esta existe para servir a cada Igreja local. Estamos ao vosso dispor para algo que possamos fazer para ajudar a igreja local, onde os amados irmãos estão a servir a Deus, a ser mais digna do nosso Senhor que é: “A testemunha fiel e verdadeira”. ( Apoc. 3: 14 ), não hesitem em nos contactar.

Sem outro assunto, subscrevemo-nos, com amor em Cristo Jesus nosso Senhor.
A Direcção da Comunhão de Igrejas de Irmãos em Portugal,
Samuel Pereira, Joel Pereira, Victor Encarnação, António Alves, Ivan Fletcher.