PRINCÍPIOS BÍBLICOS EM QUE CREMOS


1 – Definição de Igreja
Uma Igreja local é uma comunidade de crentes, nascidos de novo pela fé em Cristo Jesus (I Cor.1:2), que se reúne num determinado local somente em Nome do Senhor Jesus Cristo (Mat.18:20).

2 – Organização
A Assembleia reconhece efectivamente CRISTO como fundamento e cabeça da Igreja (I Cor.3:11 e Col.1:18).
Também reconhece um conselho de Presbíteros ou anciãos sujeitando-se á sua supervisão (Tito 1:5, I Tess. 5:12 e Heb. 13:17). No caso de haver necessidade podem existir também Diáconos para resolução de situações especificas. (Actos 6:3-4 e I Tim.3:8-10). Rejeita-se como norma a orientação da Igreja por uma só pessoa com ou sem o titulo de “o pastor”, “o ancião”, “o responsável” ou qualquer outro titulo. Considerando que uma pessoa nesta situação está a usurpar o lugar pertencente a Cristo (III João 9-10, I Pedro 5:3 e Heb.13:20).

3- Autoridade
Cada Assembleia reconhece a Bíblia como a Palavra de Deus, inspirada pelo Espirito Santo e revelando a vontade de Cristo para a Sua Igreja (II Tim.3:16, I Tim. 3:14-15 e Apoc. 1:11, 2:7).
Toda a congregação, anciãos e todos os crentes em comunhão, tem a responsabilidade de encontrar nas Escrituras Sagradas , iluminados e guiados pelo Espirito Santo, as bases da sua doutrina e da sua prática (Rom.15:4 e Actos 15:13-22).

4 – Filiação
Cada Assembleia é autónoma, não estando sujeita a outra Igreja, denominação ou organização (Actos 14:23 e 20:28), mas reconhecendo que, como expressão local do Corpo de Cristo , tem comunhão com todo o Corpo e mostra-se disposta a demonstrar esse comunhão na prática. (Ef.4:4,I Cor.12:13 e João 17:20-21).

5 – Ministério
Sendo os dons espirituais dados a cada crente para a edificação da Igreja (Ef.4:7, 11-13,16), o ministério realiza-se para cada um segundo a manifestação do Espirito que lhe é dada (I Cor.12:7, 14:26), exercendo assim o sacerdócio de todos os crentes (I Ped.2:9 e Apoc.1:6). Rejeita-se a noção de uma classe ministerial ou clero ordenado e distinto do resto do corpo (os leigos) (Mat.23:8-12).

6 – Baptismo
Cada Assembleia pratica o baptismo em Nome do Pai, do Filho e do Espirito Santo (Rom.6:3-4), obedecendo assim a esta ordenança do Senhor. (Mat.28:19-20)

7 – Ceia do Senhor
Enquanto aguarda o arrebatamento na Segunda Vinda de Cristo, à Igreja cumpre anunciar o Valor Supremo da Morte do Cordeiro de Deus, pelo que a ordem do Senhor é: “Fazei isto em memória de mim até que Eu venha”.
Portanto, á Ceia do Senhor é dado um lugar central nas actividades da Assembleia e a sua celebração é frequente.(I Cor.11:23-26). A participação no pão e no cálice da mesa do Senhor está aberta a todo e qualquer crente, nascido de novo e em comunhão com o Senhor e com o seu povo. (I Cor.10:16-17). Considera-se que esta posição de adoradores a Deus em espirito e em verdade é a expressão mais alta da vida cristã. (S.João 4:23-24).