COMUNHÃO


25.Novembro.2002

Amados Irmãos em Cristo,

Deus enviou Seu único Filho, O Senhor Jesus Cristo, para nos redimir dos nossos pecados e para, com os redimidos, criar para Si, o povo Seu, sendo Ele o seu Deus. Fomos verdadeiramente chamados por Deus para a comunhão de Seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor (I Cor. 1: 9).

Para haver comunhão com Deus é necessário uma vida santa, andando na luz, praticando a verdade e não andando nas trevas e na mentira. O fruto de uma vida assim é a comunhão com Deus e a comunhão com todos os filhos de Deus. Quando andarmos na luz, temos Comunhão uns com os outros, com o Pai e com Seu Filho Jesus Cristo (I João 1: 3 a 7).

Nunca devemos tentar viver a nossa vida espiritual sozinhos mas sim em comunhão com todos os outros filhos de Deus. Cada igreja local deveria ser um paradigma desta comunhão em que “todo o corpo, bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor” (Efésios 4: 16). É a responsabilidade de cada crente contribuir para esta comunhão e cabe aos anciãos criar condições e superintender tudo para que esta comunhão seja uma realidade e, “seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo” (Efésios 4:15).

Esta comunhão não se deve esgotar em cada igreja local mas antes deveria estender-se a outras igrejas locais e, tanto quanto possível a todas para a glória de Deus e para a benção dos crentes. Como se manifesta em Romanos 16: 16: “saudai-vos uns aos outros com ósculo santo. Todas as igrejas de Cristo vos saúdam”.

As denominações e as organizações de igrejas às vezes prejudicam esta comunhão mas é o dever perante Deus de cada um de nós trabalhar e viver esta comunhão o melhor possível dentro das nossas possibilidades.

Este é o propósito da Comunhão de Igrejas de Irmãos. Não pretende ser uma denominação mas a comunhão de igrejas locais, reconhecendo que cada igreja local é realmente uma igreja de irmãos (cfr. Mateus 23: 8) e até o Senhor Jesus Cristo, o cabeça da Sua igreja, não se envergonha de nos chamar irmãos (Hebreus 2: 11).

A direcção da Comunhão de Igrejas de Irmãos em Portugal existe para fomentar esta comunhão e para a tornar visível e tangível. Não temos a mínima intenção de interferir na vida interna de qualquer igreja local ou de criar uma denominação mas tão somente de ajudar e encorajar a verdadeira comunhão entre igrejas de irmãos.

Pedimos a participação activa de cada um e as vossas, sugestões e críticas para aprofundarmos esta comunhão tão preciosa e, havendo algo que nós possamos fazer para, numa manifestação desta comunhão ajudar a igreja local onde os amados irmãos estão a servir ao nosso Senhor, não hesitem em nos contactar.

Sem outro assunto, subscrevemo-nos, com amor em Cristo nosso Senhor,

A Direcção da Comunhão de Igrejas de Irmãos em Portugal,
Samuel Pereira, Joel Pereira, Victor Encarnação, António Alves, Ivan Fletcher.